sábado, 21 de julho de 2012

Cada dia

As misericórdias do SENHOR
são a causa de não sermos consumidos,
porque as suas misericórdias não têm fim;
renovam-se cada manhã

Lamentações de Jeremias 3.22-23

Não há como fazer uma lista que sequer possa dar uma pálida ideia da extensão do significado dessas palavras. Provavelmente o único vislumbre que possamos ter venha através da expressão “cada manhã”.

O apóstolo Pedro registra na sua Segunda Carta (2.8) que Ló, a quem chama de justo, tinha sua alma atormentada, cada dia, pelo que via e ouvia na cidade de Sodoma e o Senhor o livrou do procedimento ímpio daqueles insubordinados.

À cada dia o Senhor estava presente com seu povo que peregrinava pelo deserto e de dia lhes providenciava sombra com nuvens e de noite lhes alumiava o caminho com fogo. Cada dia lhes alimentava com o maná em uma porção suficiente apenas para aquele dia. E, para deixar bem claro que cada dia estava junto deles, estabeleceu uma série de sacrifícios que deveriam ser feitos diariamente.

Porém, temos sempre de nos lembrar que essa sucessão de dias a que nos referimos com a expressão “cada dia” só existe pra nós, pois aos olhos de Deus todos os nossos dias estão tão expostos quanto o tempo de vida dos personagens de uma história estão expostos diante de um escritor: “Os teus olhos me viram a substância ainda informe, e no teu livro foram escritos todos os meus dias, cada um deles escrito e determinado, quando nem um deles havia ainda” (Sl 139. 16).

Nós estamos sujeitos a este constante devenir em que, a cada instante, o futuro se transforma no presente, que, por sua vez, vira passado.

Sobre o futuro nada podemos fazer: ele ainda não está ao nosso alcance. O passado já está congelado e imutável. E, se não agirmos diligentemente, o pequeno instante, diante de nós, a que chamamos presente, se esvai e apenas o contemplamos sem exercer qualquer tipo de ação sobre ele.

Essa pequena partícula de tempo a que me refiro, é mostrada pelas Escrituras através de expressões como “cada dia” ou, no caso de nosso texto, “cada manhã”. Com isso o Senhor nos garante que, sobre esse pequeno instante, sobre o qual ele nos deu autoridade, ele nos dará também sabedoria e forças para molda-lo conforme sua santa vontade.

É por essa razão que nosso Mestre e Senhor nos proibiu andar ansiosos. Afinal, quem pode “acrescentar um côvado ao curso de sua vida?”. Ou seja: Quem pode determinar o futuro. Ou, em última análise: Quem pode trabalhar hoje naquilo em que ainda não aconteceu?

É por essa mesma razão que ele nos manda pedir apenas o pão de cada dia. Observe como o Senhor, a quem muitos creem não se importar com as coisas materiais, nos ordena a pedir pelo mais básico, e também cuida de nossas necessidades menores e mais simples como sombra no calor e luz na escuridão.

Mas, é conveniente lembrar que ele mesmo nos adverte que cada dia traz o seu próprio mal (Mt 6.34) , portanto não devemos ter pressa em resolver hoje os problemas de amanhã, “pelo contrário, exortai-vos mutuamente cada dia, durante o tempo que se chama Hoje, a fim de que nenhum de vós seja endurecido pelo engano do pecado” (Hb 3.13).

Assim, como cada dia o Senhor nos cobre com suas misericórdias, somos exortados a viver cada dia para glória dele e para o bem de nosso irmão.

Um dia, será o último dos dias e estaremos diante do Senhor. Chegará finalmente o “dia eterno”. Então não caberá mais o uso de expressões como “cada dia” ou “cada manhã”, pois se cumprirão todas as alusões a “para todo sempre” ou “eternamente”.

Amém!

Um comentário:

António Jesus Batalha disse...

Meus amigos irmãos, passei pela net visitando vários blogs, e passei pelo seu lindo e excelente blog, não li muito mas o suficiente para ver que pelas suas palavras aqui expressas, é um ser que ama o mesmo Deus, e que deseja servi-lo e honra-lo, e isso para mim é mais que motivo de alegria. Quero deixar-lhe um convite: Mas faça-o só se desejar, se não estiver interessado pode deletar meu comentário que não fico chateado. Se deseja fazer parte do blog. O Peregrino e servo. Decerto que irei seguir também seu blog, não sou das pessoas que dizem que vão seguir e depois não seguem. Também peço desculpa se por acaso deixar mais do que um comentário. Obrigado pela atenção.
Antonio Batalha.