sábado, 10 de janeiro de 2015

Je ne suis pas Charlie


Praticamente todo o ocidente está dizendo: Je suis Charlie e pra falar a verdade, dá vontade de dizer também. Afinal, quem não se comoveu com o acontecimento terrível? Porém, há o que pensar.

É tido como certo que a violência decorreu das charges publicadas pelo semanário. Foi uma vingança. Não apenas das últimas, que me pareceram mais ofensivas aos cristãos, mas de tantas outras que marcaram a história do jornal.

A charge deforma o assunto exagerando alguma característica peculiar, ridicularizando uma situação, ou argumentando ad absurdum. A charge vale-se do burlesco, da sátira, da paródia e do duplo sentido para apresentar pessoas ou acontecimentos no limite entre o risível e o infame. Não é incomum encontrar quem, retratado numa charge, sinta-se difamado. Aliás, foi isso o que aconteceu com as primeiras charges, feitas no século XIX: Governantes poderosos sentiram-se difamados e os chargistas amargaram a prisão.

É muito difícil estabelecer a "honestidade" de uma charge. A que apresenta objetivamente uma situação ridícula poderia ser considerada "honesta". Entretanto, a que transpira os conceitos subjetivos do autor pode ser perfeitamente uma provocação ou mesmo uma difamação.

As muitas inaugurações da mesma obra feita por um político pode ser um ótimo tema para uma charge, mas mostrar o profeta dos muçulmanos engajado em um beijo homossexual dificilmente servirá para alguma coisa além de produzir ódio.

Salomão nos ensinou que "Pois assim como bater o leite produz manteiga, e assim como torcer o nariz produz sangue, também suscitar a raiva produz contenda" (Provérbios 30.33), ora é exatamente isso que os chargistas mortos faziam.

Em hipótese alguma quero justificar a morte deles. Os atiradores estão totalmente errados. Porém, o que poderia se esperar de um povo educado desde cedo a desejar morrer em guerra? O que aconteceu em 2005 na Dinamarca, onde cerca de 50 pessoas morreram, após as charges publicadas no Jyllands Posten, não serviu de advertência?

Ora, a decantada liberdade de expressão, tão cara as sociedades democráticas, e mais especialmente aos irresponsáveis, nunca será superior ao senso comum, acumulado em milênios de civilização que também nos ensina: "quem fala o que quer, ouve o que não quer". Muito menos supera às palavras de quem criou a humanidade: "Digo-vos que de toda palavra frívola que proferirem os homens, dela darão conta no Dia do Juízo; porque, pelas tuas palavras, serás justificado e, pelas tuas palavras, serás condenado" (Mateus 12.37-37).

Vivemos dias em que o errado é apenas o que contraria a lei ou costumes bem estabelecidos. Mas, paradoxalmente hoje é quase uma obrigação agredir os costumes. Ser rebelde tornou-se desejável e necessário a formação do jovem, e sinal de criatividade no adulto. Portanto, hoje, o deboche, o escárnio e a difamação, mesmo contrariando leis e costumes bem estabelecidos, procuram abrigo sob o manto da criatividade, do humor e especialmente da "liberdade de expressão".

Para o cristianismo, antes das leis e antes dos costumes vem o pecado. Determinada ação, ou comportamento, mesmo não sendo ilegal, nem agredindo qualquer costume bem ou mal estabelecido, pode ser pecado. Para o cristianismo o pecado manifesta-se também nas palavras: faltar com a verdade, promover o engano, difamar a Deus e o nosso próximo são pecados claramente estabelecidos nas Sagradas Escrituras. E qualquer tipo de promoção da mentira está filiada diretamente ao inimigo de nossas almas: "Ele [o diabo] foi homicida desde o princípio e jamais se firmou na verdade, porque nele não há verdade. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira" (João 8.44).


Portanto, eu não posso dizer "Je suis Charlie". Lamento, deploro e abomino o que aconteceu aos chargistas e a seus companheiros, mas não posso concordar com o que eles faziam. Igualmente reprováveis são os assassinos e espero que, os que ainda estiverem vivos, sejam colocados sob os magistrados e paguem por seus atos.

7 comentários:

Marcelo disse...

Belo texto.

Josiel Dias disse...

Olá, gostaria de registrar que gostei de mais desse site.
Já virei um seguidor. Aproveito para convidá-lo a conhecer também
o nosso blog. Ficaremos felizes por vossa visita e mais ainda se
seguir-nos.

Mensagem edificante para alma.
Josiel Dias
http://josiel-dias.blogspot.com
Rio de Janeiro

Carlos Eller Bambam disse...

Olá Pastor Folton!

Já estou em Palmas, eu e Tininho tomamos posse e já estamos trabalhando.
Excelente texto.
Posso publica-lo no Balança a Moita?

Abraço.

folton nogueira disse...

Que bom Bambam. Desejo sucesso. Pode publicar.
ab
folton

Laerte Lima disse...

"Eu só queria tocar na Arca..".. hoje de manhã estava indo para EBD.. esta frase me chamou a Atenção .. é um Absurdo .. como a Forma tomou lugar do Conteúdo no pensamento do Cristão nos dias atuais.. é Arca do Tesouro ... Óleo Ungido ... etc.. etc...talvez se o Indiana Jones estivesse mais interessado no Tesouro da Arca (Deus) do que na Arca do Tesouro.... sua busca fosse menos arriscada ...KKK .. Infelizmente .. a fé de muitos atualmente se resume no Visível e Tocado ... do que no Invisível ... Deus só é Absoluto quando ganha formas definidas ... vira elementos ... Arcas ...e outros Símbolos .. A oração sem Óleo Ungido perde sua "Unção"... Bom Domingo .. e que Deus nos Livre de tantas Heresias.

Laerte Lima disse...

Cá Estou de novo ... agora em 2015 ..estou terminando meu Curso de Bacharel de Teologia ... estou no aguardo do Resultado do TCC......"Segunda Vinda de Jesus Cristo na Perspectiva Cristã Reformada".... não tenho pretensão de dizer que sou PHD neste assunto .... aliás só Deus é PHD Nisto ... mas estou acabando ... Poderia ter Batizado de Novo ... na Igreja Batista ... mas não vejo Necessidade disto .... oportunidade não Faltou .... agora na Fase Final do Curso estou precisando de alguns Estágios Supervisionados ... para o Concluir .. Virei Desigrejado ... desta forma gostaria de pedir ao senhor caso pudesse me ajudar neste aspecto... em Nome de Jesus .... serei muito Grato .. ...segue á baixo o Endereço da FAETESF
Faculdade de Ensino Teológico Saber e Fé
Rua Treviso 80
Jardim Sta Cristina
CEP13207-410 Jundiaí SP

Laerte Soares Lima disse...

não precisa ..de qualquer forma ..muito grato...