sábado, 14 de fevereiro de 2009

O evolucionista cristão

Não faz muito tempo tive a oportunidade de conversar com uma pessoa que se dizia evolucionista cristão.

Já ouvi falar de alguns, e já li sobre os esforços que o Padre Pierre Teilhard de Chardin e teólogo batista Bernard Ramm fizeram para conciliar o evolucionismo com o cristianismo, mas ainda não havia encontrado um. Então puxei a conversa.

Perguntei-lhe sobre Jesus. Ele me disse que tinha Jesus como seu salvador pessoal, que assumiu nossa natureza, morreu, ressuscitou e está à destra do Pai por nossa causa.

Fiquei pasmo: Como é que alguém não crê no Criador e crê no Salvador? Que sentido faz ser salvo, quando se é mera obra do acaso? Demorei um pouco para me refazer do susto. Eu esperava que ele dissesse que Jesus fora apenas um grande mestre, ou coisa parecida, para lhe mostrar, que ou Jesus era Deus ou era o pior homem que já existiu.

Então perguntei como ele conseguia crer em Jesus, nestes termos, e não crer na existência de Adão, já que nenhum evolucionista que se preze acredita que Adão e Eva tenham existido de fato. Sua resposta me impressionou novamente: “Não creio no Adão conforme está no Gênesis. Para mim Adão foi o primeiro ser que tomou consciência de si e de Deus e que teve de escolher entre o Deus que lhe falava e sua própria consciência. Como optou por sua consciência rebelou-se contra Deus”.

E antes que eu fizesse outra pergunta, acrescentou: “Creio muito mais no poder de Deus do que um cristão comum, pois vejo a mão de Deus agindo por milhões de anos conduzindo o processo evolutivo do qual apareceu o homem”.

Fiquei, por alguns instantes, sem palavras. Mas percebi claramente que o problema todo estava na autoridade da Bíblia. Então perguntei sobre o relato do Gênesis. Sua resposta foi imediata: “É um relato em que, mediante uma história que se pudesse entender naqueles dias, o autor diz a mesma coisa que a ciência diz hoje. Só que a ciência detalhou como o homem veio do barro: através da evolução”.

- Mas, como cristão, você não deveria valorizar as Escrituras tanto quanto Cristo as valorizou? Perguntei.

- Me mostre onde não as valorizo tanto quanto Cristo.

Aí eu fiquei feliz com a enorme fila do banco, e pedi por minha memória.

Comecei recordando-lhe da tentação de Jesus, quando ele afirma que nossa vida depende mais da “palavra que sai da boca de Deus” do que do pão. Lembrei-lhe também de que, discutindo com os judeus, o Senhor disse “e a Escritura não pode falhar” como premissa sobre a qual construiu todo um argumento. Lembrei-lhe ainda que, explicando a razão para ter escolhido a Judas, Jesus disse: “para que se cumpra a Escritura”. E que, pelo mesmo motivo, após repreender Pedro por ter ferido a Malco, entregou-se aos guardas do templo.

Cheguei até a mostrar-lhe como Jesus, “expressão exata do ser de Deus”, identificou-se tanto com as Escrituras que suas últimas palavras foram a repetição de textos delas.

Deixei como argumento final o fato de que o Senhor Jesus expôs a doutrina da Eternidade da Alma usando apenas um tempo verbal: “antes de Abraão, eu sou”. E que mostrou-se a si mesmo como superior a Davi usando apenas o título do Salmo 110.

Argumentei que a natureza própria do pensamento científico é o desenvolvimento, e que portanto, a atitude mais sábia para o Cristão é manter as Escrituras como “pedra de toque” e, aguardar os acontecimentos, até o dia em que a evolução deixe de ser apenas uma teoria.

Após todos meus argumentos ele respondeu:

- Pastor, como então viveremos hoje? Alienados como um bando de ignorantes obscurantistas? Não é melhor admitir logo que a Bíblia - que não é um livro de ciências - pode ter algumas falhas? Mesmo que não sejam intencionais? Falhas que revelem as limitações de seus autores?

Percebi então que, no fundo, havia uma ponta de vergonha. E a respeito disso não há muito o que fazer.

Ficamos de nos corresponder.

7 comentários:

herbert curioso disse...

Olá querido! A paz do Senhor! Estava pesquisando na internet alguém que compartilhasse a mesma opinião que eu e acabei achando seu blog. Sou cristão, e, bem, não posso dizer que sou evolucionista porque a evolução ainda é uma "teoria", mas não tenho problemas em aceitar que a evolução pode ter sido o mecanismo que Deus usou para trazer a existência todos os seres vivos, inclusive nós... talvez meu pensamento seja diferente do rapaz que vc encontrou. Na verdade, eu confio nas escrituras, e as amo profundamente, porque sei que são a fonte de toda a revelação necessária para se aproximar de Deus por meio do sangue de Cristo e ter a vida eterna. Sei que as escrituras podem ter sofrido alguma alteração nas cópias e traduções, mas sei tbm que nenhuma dessas alterações atrapalha qualquer doutrina, são detalhes ínfimos e sem importância, como nomes de pessoas, lugares, datas e quantidades. Mas quanto ao evolucionismo, eu não tenho problemas com "ele" pois uma leitura atenta dos primeiros capítulos de Gênesis demonstra que é impossível manter uma interpretação literal do que ali se encontra. Acredito que, de capa a capa a Bíblia é inspirada pelo Espírito Santo, mas também sei que algumas coisas são mais fáceis de aprender quando vêm em forma de símbolos. Assim como em Apocalipse, muitas cenas são símbolos dos quais podemos aprender as verdades eternas, acredito que boa parte do relato de Gênesis sobre a criação também é simbólico. É óbvio que eu não teria espaço só nesse comentário para esclarecer melhor o que estou querendo dizer, mas se vc se interessar, eu ficaria muito feliz em poder expor isso para outro irmão e receber alguma crítica que me faça ver algo que ainda não vi, ou confirmar o que estou vendo. Não converso com as pessoas de minha igreja sobre isso pois sou presbítero, e, infelizmente muitos deles são bem mais novos do que eu, tanto na fé quanto na idade, e não quero confundí-los ou escandalizá-los, pois o meu alvo é Cristo, e minha missão é ganhar almas para o Reino de Deus, a ciência é secundária. Aguardo resposta, fique com Deus! Um grande abraço.

folton nogueira disse...

Herbert;

Acho que o fulcro de todo o problema está em negar a historicidade de Adão. Negando-a, teremos de negar também a de Jesus (e, nós cristãos, aceitamos com prazer as bênçãos decorrentes que nos vem do "Segundo Adão").

Ab
Fôlton

herbert curioso disse...

Fôlton,

Isso é verdade, se não houver historicidade na queda, não há sentido para a regeneração. Antes de dizer o que penso sobre Adão, queria deixar claro que o que me levou a começar a aceitar o evolucionismo não foi a pressão por parte da ciência, mas foram alguns textos que li na própria Bíblia. Um desses textos é Rm 5.14, onde Paulo diz que Adão é o "tipo" daquele que havia de vir. Não duvido que tenha de fato existido um primeiro casal humano, assim como nós somos hoje, mesmo se aceitar a evolução das espécies. Acredito que em algum momento, quando Deus viu que o corpo humano estava pronto para receber a Lei Moral(aquela de Romanos 2.14,15), a Razão e a capacidade de comungar com o Criador, Ele então separou um casal e lhes presenteou com essas bençãos, e desde então o homem passou a ser o que é. Da mesma forma, quando o homem moral, racional e desejoso por Deus estava pronto, na Plenitude do Tempo, Ele nos enviou a Graça, o Espírito Santo e a Vida Eterna. E é nesse sentido que acredito que Adão é um tipo de Cristo, porque Adão seria (teoricamente) um animal, absolutamente natural, assim como todos os outros, mas, por uma intervenção divina, recebe em si algo sobrenatural, que lhe capacita a ter comunhão com Deus e compreender, ainda que de leve, o caráter de Seu Criador. E sobre Cristo, o antitipo, podemos dizer que os homens, receberam, por intervenção divina, não "algo" sobrenatural, mas o próprio Deus,que veio como homem, como todos os outros, aparentemente totalmente natural, que por Sua vida, morte e ressurreição, nos capacita para termos comunhão com o Criador e vencermos o pecado. Às vezes penso que da mesma forma como a primeira intervenção divina transformou um animal em uma nova espécie, o homem tal qual ele é hoje, assim também a Encarnação de Cristo e Sua obra nos transfomará em uma outra espécie, por ocasião da ressurreição final, quando recebermos um corpo glorificado e incorruptível. Quando leio a famosa frase em Gênesis : "façamos o homem à nossa imagem e semelhança" tenho a impressão que o homem em questão já existia, e tinha surgido da própria terra, assim como todos os outros animais, mas Deus olhou para esse homem e disse: vamos fazê-lo ser como a nossa imagem e semelhança, e então imprimiu em nós a Lei Moral e a Razão. Posso estar errado, eu sei, mas me parece que Deus primeiro nos tirou do reino dos animais e nos colocou alguns degraus acima, mas nós, por nossa dureza, muitas vezes continuamos agindo exatamente como os animais, só pelo instinto, e isso nos afasta de Deus, é o pecado. Porém, Deus decidiu em Sua Eterna Sabedoria, que interviria mais uma vez em nossa história, mas dessa vez não para nos elevar acima dos outros animais, mas acima daquilo que a própria humanidade se tornou, e isso através da Regeneração, do Novo nascimento em Cristo e por fim, pela ressurreição. Sabe, Fôlton, desculpa se eu estiver tomando seu tempo ou te importunando com esse assunto, mas acho que talvez vc seja a única pessoa com quem, agora, eu possa falar sobre isso de forma tranquila, educada e saudável. Sinta-se a vontade para me mandar parar se quiser, rsrsrsrs, sei que às vezes eu falo demais....hehehe Espero que tenha entendido o que eu quis dizer sobre Adão, se puder me corrigir em algo, agradeço.

Abraço

Herbert

Ps. Se por um acaso vc receber mais de um comentário igual é porque meu pc tá meio doido e eu não sei se conseguir postar da primeira vez, por isso mandei dois.

Sam disse...

Bençãos do Criador e do Salvador!

Anônimo disse...

Amados, não sei se vocês irão me responder, pois vejo esse post muito antigo. Mas tbm gosto de refletir essas questões tbm, pois estou terminando meu curso de biologia e tbm consigo admirar toda obra do Criador com a evolução. Gostaria de compartilhar com vcs pensamentos.

Bem, se vcs chegarem a ver esse recado me adionem no facebook. (Bruna Barreto Lourenço)

A paz de Cristo eu desejo a todos.

folton nogueira disse...

Bruna,

Infelizmente minha experiência com o FB foi tão ruim que precisei encerrar minha conta (relatei tudo em http://folton.blogspot.com.br/2012/04/redes-sociais.html).

Meu problema com o evolucionismo ainda continua sendo o "ponto de consciência". Vamos admitir que Deus se serviu da evolução como ferramenta de criação. Quando foi que o homem tomou consciência de que era obra de Deus e esse salto evolutivo entre ser "não consciente" e "ser consciente" foi provocado por quem?

Se você me responder que foi uma adaptação ao meio, segue-se que o homem inventou a Deus para adaptar-se. Se você me responder que Deus provocou esse último estágio evolutivo, qual é a diferença então da criação?

abraços
Fôlton

Herbert disse...

Bom, apesar da pergunta ter sido feita para a Bruna, eu gostaria de dar minha opinião :D
Eu acredito que foi justamente nesse momento, quando a espécie humana estava biologicamente pronta para conhecer a Deus, que o Criador nos deu de Seu Sopro, e isso nos tornou conscientes, morais, espirituais, isso criou Adão e depois Eva.
Penso que a biologia nunca vai conseguir rastrear o momento exato em que isso aconteceu, porque Deus é o Pai da natureza, logo, quando ele intervêm nela sua ação é absorvida, e por mais sobrenatural que seja, logo se torna parte da natureza de tal forma que parece que nunca pôde ter vindo de outro lugar a não ser dela mesma. Ou seja, é por isso que a evolução parece, aos olhos dos evolucionistas, algo tão natural, pois é a natureza absorvendo cada intervenção divina e a tornando parte de si. Deus é criador da natureza, qualquer coisa que ela produza é criação dele.
Acho sensacional o fato de que em Gênesis Deus não faz as primeiras criaturas surgirem do nada, antes, Ele ordena que as ÁGUAS produzam os seres viventes, e não é exatamente isso que a ciência afirma? Que a água foi o meio primordial de onde a vida teria surgido? O mesmo ocorre com respeito aos animais e às plantas. Ora, se Deus ordenou que produzissem vida é porque os fez férteis e capazes de produzir vida.
De uma forma ou de outra, a cada dia me maravilho mais com a grandeza de Deus, e com a imensidão de seu amor e sua justiça, e quero muito que todos á minha volta, evolucionistas ou criacionistas, recebam muito mais deste amor, que só pode ser plenamente conhecido através da Palavra de Deus, que revela Cristo para nós.
Talvez quando chegarmos no fim de tudo, descubramos que as origens eram só um detalhe...