sábado, 14 de novembro de 2009

Abel continua falando

Já chamei sua atenção para o paradoxo de Abel: Não há registro de qualquer palavra que ele tenha dito, entretanto o escritor da Carta aos Hebreus disse que ele ainda fala. Quem nos diz que ele ainda fala é também quem nos diz que a fé é o veículo através do qual ouvimos sua voz.

Porém Deus também ouviu sua voz: “A voz do sangue de teu irmão clama da terra a mim” (Gn 4.10).

Note: não é Abel que fala e sim algo dele. A nós, segundo o escritor da Carta aos Hebreus, sua fé. A Deus, segundo o próprio Deus, seu sangue.

Aqui é necessário fazer uma observação: a palavra sangue, no original hebraico, está no plural. Alguns acham que, para os Hebreus, a palavra sangue só tinha a forma plural (como, em português, lápis, férias, núpcias, óculos, etc.). Porém, quando Deus proíbe o uso do sangue como alimento (Gn 9.4) a forma usada é a singular.

Então, quais são os “sangues” de Abel que, da terra, clamavam ao Senhor? Pluralizar a palavra seria apenas uma figura de linguagem ou significaria algo que nosso idioma não nos permite ver?

Costumamos dizer - corretamente - que a morte entrou na terra após a queda. Dizemos também - erroneamente - que a primeira morte foi a de Abel e antes dela não se sabia o que era morrer. Há até quem diga que Caim não tinha a menor idéia do que aconteceria a seu irmão.

Porém a Bíblia é clara: a morte de Abel foi a primeira de um ser humano. A morte já havia sido introduzida no solo sagrado do jardim: o próprio Deus matou os animais dos quais tirou peles para cobrir a nudez de nossos primeiros pais.

Ao sacrificar um cordeiro Abel comete a segunda morte. E, fora do jardim, sangue é novamente derramado sobre a terra.

Se o sangue das vítimas que forneceram a Deus suas peles, já era um tipo do sangue de nosso Senhor derramado em favor dos seus, podemos entender melhor por que a palavra sangue está no plural: O sangue do próprio Abel, derramado por seu irmão e assassino e o sangue do sacrifício oferecido por Abel, clamavam ao Senhor.

Nenhum de nós, que tem a Bíblia como sua regra de fé, duvida de que o sangue derramado sobre a terra clama ao Senhor por justiça.

Os próprios glorificados, que aguardam o Dia do Senhor, testificam isso: “Clamaram em grande voz, dizendo: Até quando, ó Soberano Senhor, santo e verdadeiro, não julgas, nem vingas o nosso sangue dos que habitam sobre a terra?” (Ap 6.10).

Nosso Senhor e mestre é muito mais incisivo: “Serpentes, raça de víboras! Como escapareis da condenação do inferno? Por isso, eis que eu vos envio profetas, sábios e escribas. A uns matareis e crucificareis; a outros açoitareis nas vossas sinagogas e perseguireis de cidade em cidade; para que sobre vós recaia todo o sangue justo derramado sobre a terra, desde o sangue do justo Abel até ao sangue de Zacarias, filho de Baraquias, a quem matastes entre o santuário e o altar” (Mt 23.33-35).

Então fica clara a afirmação: “Mas tendes chegado a [...] Jesus, o Mediador da nova aliança, e ao sangue da aspersão que fala coisas superiores ao que fala o próprio Abel.” (Hb 12.22-24).

O sangue de Abel clama por justiça ao “juiz de toda a terra” e é tipo do sangue de todos os que foram martirizados por sua fé.

O sangue derramado por Abel clama, até hoje, testificando qual é o verdadeiro significado de uma fé obediente.

O Sangue de nosso Senhor, tipificado por ambos, fala de coisas superiores: perdão para os ‘cains’, que insistem em cultuar a Deus com o produto de uma terra corrompida pelo pecado, e, que, quando percebem que Deus não se agrada de suas obras, matam seus irmãos. Irmãos que, pela fé, cultuam obedientemente ao Senhor.

3 comentários:

Anônimo disse...

Pastor

Nossa, ... que explicacao fantastica sobre o sangue dos justos que ja foram derramados. Eu sabia que apos o boletim da semana passada uma sequencia iria ser feita dando assim o fechamento necessario pro assunto, gracas a Deus pelo esclarecimento dado a voce sobre a materia.
Depois de todo texto comecamos a ter uma minima ideia da importancia do sangue de Cristo que precisava ser derramado em favor dos escolhidos.
Que Deus continue dando a vc essa capacidade de explicar textos biblicos que passavam desapercebidos por leigos como eu.

Simonton disse...

Rev Folton, cultuar a Deus de forma equivocada, com o fim de fazer as vontades humanas tem sido um dos erros mais comuns nas igrejas hoje, mais especialmente entre os artistas da música, mas também com muitas manifestações místicas estranhas à Palavra. Com certeza o sangue de Abel clama contra todos estes.
Muito bom texto.
Simonton

Jean Carlos Serra Freitas disse...

Caro Rev. Folton... saudações. Como sempre, fui edificado pela exposição da Escritura Sagrada.
Continue firme e que Deus restaure sempre suas forças.
Grande abraço.

Jean