terça-feira, 3 de novembro de 2009

Os perigos de se ver Deus face a face

Os mais velhos se lembram das aulas de Escola Dominical sobre Deus rejeitar o pedido de Moisés para vê-lo face a face, e alguns se lembram de um hino que usa como analogia nossa impossibilidade de olhar diretamente para o sol para explicar por que só podemos ver a Deus através das figuras que ele mesmo escolheu para se fazer conhecido.

No artigo passado mostrei como algumas correntes dentro do evangelicalismo brasileiro estimulam essa impossibilidade e adicionam toques eróticos a esse encontro da alma com Deus. Hoje espero deixar claro a impossibilidade do pecador, mesmo redimido, ver a Deus face a face. E, se conseguisse, o quão terrível seria para ele.

Em primeiro lugar, há o problema da finitude. Somos criaturas e Deus é o Criador. Somos finitos e Deus é infinito. Como abraçar o infinito? É possível colocar o oceano em um copo? Como nosso pequeno cérebro conteria aquele que o criou? Os místicos argumentam que é a alma que o recebe e que visão é apenas força de expressão. Mas o mesmo pode ser dito da alma. Acaso ela é infinita?

Em segundo lugar, estamos em rebeldia contra Deus. Nossos pais nos legaram tal estado: nascemos rebeldes. Aprendemos com facilidade a pensar, falar e fazer o mal. Como as mães testemunham: “se fosse coisa boa não fazia, mas como é ruim não precisou ser ensinado”!

Quando recebemos Jesus em nossas vidas somos declarados, pelo Pai, filhos amados. Totalmente justos diante dele que nos sela com o Espírito Santo o qual nos ensinará a renegar as paixões características dessa velha natureza e nos conduzirá em todas as decisões. Entretanto não perdemos nossa natureza pecaminosa. Ela nos acompanhará à sepultura.

Somos tidos por Deus como seus filhos, apenas por estarmos em seu Filho. E esse é o ponto ao qual eu queria chegar: seu Filho se fez um de nós para que fôssemos feitos um com ele!

Você já reparou que Jesus foi o único “pecador” que se encontrou com Deus face a face? Percebeu qual é o destino dos que vêem Deus face a face? Entendeu por que Deus não atendeu o pedido de Moisés? Ou será que você já esqueceu? “Respondeu-lhe: Farei passar toda a minha bondade diante de ti e te proclamarei o nome do SENHOR; terei misericórdia de quem eu tiver misericórdia e me compadecerei de quem eu me compadecer. E acrescentou: Não me poderás ver a face, porquanto homem nenhum verá a minha face e viverá” (Ex 33.19-20).

Jesus viu Deus face a face para não termos de fazê-lo.

Então nunca veremos a Deus? Veremos sim: em Cristo. Que além de ser a expressão exata do Ser de Deus é quem sustenta todas as coisas pela sua palavra. Também nele habita corporalmente a plenitude da Divindade. Leia Hebreus 1.1-4 e Colossenses 2.8-9) e nunca se esqueça de que Emanuel significa “Deus conosco”.

Esqueça o engodo de nossos poetas e as tolices que assolam nossos dias e escute as palavras do próprio Senhor: “Filipe, há tanto tempo estou convosco, e não me tens conhecido? Quem me vê a mim vê o Pai; como dizes tu: Mostra-nos o Pai? Não crês que eu estou no Pai e que o Pai está em mim? As palavras que eu vos digo não as digo por mim mesmo; mas o Pai, que permanece em mim, faz as suas obras (Jo 14.9-10)”.

2 comentários:

Oliveira disse...

Concordo plenamente.
Jesus é a imagem do Deus invisível.
Acho até que tem um verso bíblico que diz isto declaradamente.

Abraço!

Jorge Melhado disse...

É muito confortante quando podemos perceber, através da iluminação do Espírito, as grandes coisas que o Senhor nos reservou nos aparentes "pequenos detalhes" de Sua Palavra. É maravilhoso "ver" Deus em Cristo. É grandioso! Louvado seja Deus por Sua bondade e misericórdia. Continue a escrever, pastor! Abraços, Jorge.