sábado, 19 de novembro de 2011

Pecadores adorando a Deus

Nesses últimos textos procurei mostrar o pecado em suas diversas facetas, e, se você leu todos, viu que são apenas referências direta aos Dez Mandamentos. Entretanto, não os encarei como dez pecados diferentes e sim como um só: a desobediência a Deus, manifestando-se sob dez formas diferentes.

Além das dez diferenças óbvias há outras. Porém, para nosso proveito é importante lembrar que eles se agrupam em seis manifestações que ofendem também ao próximo e quatro ofendem apenas a Deus.

Analisei essas quatro manifestações do pecado que ofendem apenas a Deus sob o título de “Verdadeira Adoração” pela simples razão de que o único objetivo delas é este: Ser agradável a Deus, enquanto as demais tem por objetivo também, preservar a vida, a honra, o bem estar de nosso próximo. A verdade, os bons relacionamentos, o equilíbrio social, econômico e político, etc.

Os quatro só levam em conta o modo como você comparece diante de Deus, respeita sua imagem, respeita seu Nome e reserva tempo para desfrutar de sua presença. Elas são o cerne do culto verdadeiro.

Achar-se adorador por ser um bom cantor, por ter passado o dia cantando ou por ter ajuntado uma multidão a cantar, sem ter observado qualquer um dos Dez mandamentos (ou ter desrespeitado um só deles), especialmente os quatro que dizem respeito a Deus, não passa de blasfêmia.

Adorar a Deus é fazer sua vontade. Cantar é consequência.

Então alguém dirá: - ninguém pode ser um verdadeiro adorador pois ninguém cumpre perfeitamente os Dez Mandamentos.

- Só pode ser um verdadeiro adorador aquele que já cumpriu os Dez mandamentos através de Jesus, pois somente ele os cumpriu plenamente.

- Então, se eu estou em Cristo que cumpriu pra mim de modo perfeito os 10 mandamentos posso e devo cantar de tal modo que todo mundo (desde os vizinhos até o inferno) saiba disso.

Duas perguntas: 1ª) Você quer avisar aos vizinhos ou louvar a Deus? (o inferno não está interessado). 2ª) Você sabe como é que Deus quer ser adorado? Geralmente se responde “com louvores”. Mas, à luz dos quatro mandamentos, será que é só com isso?

Nós nos comportamos como crianças desobedientes e voluntariosas que insistem a trazer garatujas coloridas para os pais e perguntar se estão bonitas.

É claro que, por amor, nossos pais respondem que estão bonitas, porém eles ficariam mais alegres se arrumássemos nossa cama sem que eles mandassem, escovássemos nossos dentes espontaneamente, comêssemos as verduras sem reclamar. Enfim, fôssemos filhos mais cordatos e prontos a obedecer sem murmurações. Jamais alguém faria garatuja ou pintura mais bonita do que isso.

Percebeu? Os cânticos são, diante de Deus, como um gesto de carinho a mais com que o filho agrada seus pais, os quais se deleitam em vê-lo fazer a vontade deles.

Você acha que Jesus assumiu nossa natureza e sofreu por nós apenas para formar um conjunto musical? Ele nos redimiu para vivermos de modo digno dele, para o seu inteiro agrado, frutificando em toda boa obra e crescendo no pleno conhecimento de Deus, e eventualmente cantar.

Um comentário:

José Francisco disse...

Obrigado pela palavra Pastor Folton,
Tenho buscado viver na presença de Deus e ser crente, inclusive, de segunda a sábado. De certa forma Deus tem me conduzido a viver uma vida de santificação, ou pelo menos uma vida de busca por ela, já que sou filho da Luz, da Justiça e da Obediência. Estava pensado: será que - já que estamos em Cristo e nos inclinando mais e mais às coisas de Seu Epírito - Deus poderia olhar para mim e dizer: Eu me comprazo neste meu filho... referindo-se a mim?
Entendi que para ser um verdadeiro adorador, preciso fazer muito mais além de cantar; serví-Lo, amá-Lo... viver com Ele em uma vida de obediência, em retidão, em justiça, sendo de fato d'Ele e para Ele.

Francisco.