sábado, 16 de julho de 2005

Comércio de almas

Assim como, no meio do povo, surgiram falsos profetas,
assim também haverá entre vós falsos mestres,
os quais introduzirão, dissimuladamente, heresias destruidoras,
até ao ponto de renegarem o Soberano Senhor que os resgatou,
trazendo sobre si mesmos repentina destruição.
E muitos seguirão as suas práticas libertinas,
e, por causa deles, será infamado o caminho da verdade,
também, movidos por avareza, farão comércio de vós, com palavras fictícias...

2ª Carta de Pedro, capítulo 2, versículos 1a3

Essa profecia, ultimamente tem ficado cada vez mais clara para mim. Criado em um lar em que a Bíblia sempre foi lida, respeitada e acatada, aprendi a ver um certo simbolismo no número 7. Geralmente ele está ligado à religião e sempre traz a idéia de totalidade.

Na Bíblia (2ª Edição da versão revista atualizada traduzida por Almeida) o número 7 aparece 436 vezes. Só no Apocalipse ele é mencionado em 31 lugares: 7 igrejas, 7 candeeiros de ouro, 7 estrelas, 7 anjos das 7 igrejas, 7 Espíritos de Deus, 7 tochas de fogo, 7 selos, 7 chifres, 7 olhos, 7 trombetas, 7 trovões, 7 mil pessoas, 7 cabeças, 7 taças de ouro, 7 flagelos, 7 montes e 7 reis.

Entretanto, por mais que eu procure, não encontro, em nenhum lugar, a menção a 7 malas de dinheiro. Isso faz parte da crônica policial.

Veja bem: não me envergonho do Evangelho de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, única oportunidade de salvação provida por Deus ao pecador. Porém me envergonho, profundamente, do que se está fazendo em nome do Evangelho.

“No espírito e poder” de Tetzel, levantam-se hoje e vendem novas indulgências. Não que livre os crédulos do inferno, mas que lhes garantam prosperidade, saúde e tudo aquilo de que se sinta falta.

Como se não bastasse, elaboram, através de métodos engenhosos, coisas novas e novos modos de levar os crédulos a sentirem falta de outras, só para vendê-las depois.

São os falsos mestres dissimuladamente com fogueiras santas, benzeções, exorcismos e pajelanças sem fim, negando o Soberano Senhor e, com suas práticas, trazendo infâmia sobre o Caminho da Verdade.

São os falsos mestres com avareza exposta em fardos de dinheiro, ora em sacos carregados nas costas, ora em caixas, ora em malas.

Será que não compreendemos o alerta que Deus está dando a seu povo, com as 7 malas de dinheiro? Número que tanto prezam?

Observe como a profecia se cumpre em detalhes: se passam por mestres, mas ensinam com ficção a fim de fazerem comércio, pois são movidos pela avareza. E, além de trazerem má fama ao caminho da verdade, acabam renegando ao Senhor.

E enganam. Como alertou nosso Senhor e Mestre, através do Apóstolo Mateus (24.24): “se possível os próprios eleitos”.

Enganam aos insensatos, que, como os que saíram da escravidão escorchante do Egito, também sentem saudades de panelas de carne e reclamam do sabor fastidioso do pão do céu.

Às vezes, fico pensando se não merecem mesmo serem transformados em mercadorias com as quais se faça comércio!

- Ah! Senhor;
Tem misericórdia de teu povo, que não atenta para tuas palavras e namora com o pecado, com os falsos mestres, com as “palavras fictícias”, e, cada vez mais, chega perto da “repentina destruição”.

Fortifica, cada vez mais aqueles que, com os corações aos pés da cruz, angustiam-se com o opróbrio que jogam sobre nome de teu Filho amado.

2 comentários:

Anônimo disse...

Sempre que vejo algum evento que reune multidões, lembro da passagem bíblica que diz que o caminho é estreito e por ele POUCOS passam... tendo isso em vista, penso e falta de reflexão e ingenuidade dessas massas que são levadas por pessoas que com sua boa oratória os "enfeitiçam". Quando será que os crentes perceberão que são manipulados exatamente pelo seu excesso de boa fé, "boa intenção" e falta de leitura da palavra de Deus?? Quando será que vamos deixar de eleger pessoas pela religião que dizem ter?? Quando será que nos daremos conta de que num caminho estreito não cabe muita gente?? Quando será que vamos(no mínimo) começar a desconfiar de eventos "arrebatadores" que levam as pessoas pela emoção e não pela razão e conhecimento da Bíblia??
Quem sabe precisaremos de mais 7 eventos, com mais 7 malas e mais 7 cuecas para envergonharem nosso nome de evangélicos?
glaucia

André Eler disse...

Pastor, parabéns por mais essa mensagem.
Gostaria de perguntar se nós podemos mesmo aceitar esses segmentos como um cristianismo verdadeiro? Pois está claro que eles não têm somente Deus como único senhor de suas vidas. Pelo menos não tais mestres. E os seguidores desses falsos mestres, o que será deles? Eu também não me envergonho do evangelho, mas não sei se posso considerar esses segmentos como seguidores do evangelho. Mande resposta para mister_eler@hotmail.com .
Valeu!!!