quarta-feira, 23 de maio de 2007

Ascensão

Quando o Senhor encarnou-se, assumindo a natureza humana, esvaziou-se de alguns dos atributos que tinha como Deus. Era Deus conosco. Maria, esclarecida do que estava acontecendo pelo anjo Gabriel, soube que desde aquele primeiro momento estava carregando em seu ventre o Filho de Deus.

Os dias, biologicamente determinados, se completaram e Maria entregou à luz um menino. Novamente, os anjos – agora um verdadeiro exército deles – se encarregaram de esclarecer o que estava acontecendo a uns pastores que daquelas redondezas.

Durante trinta anos o Deus-conosco "aprendeu pela obediência" o que era ser descendente de Adão. Como criança foi submisso a seus pais terrenos. Como adolescente foi estudioso das coisas do Pai celeste a ponto de impressionar os terrenos. Como adulto foi construtor, como sempre foi seu Pai celeste e como aprendeu de seu pai terreno.

Trinta e três anos depois o Deus-conosco esvaziou-se ainda mais: morreu. Em vez de um útero aquecido, foi recebido por um túmulo frio. Ambos virgens. Em vez de 9 meses, três dias. Em vez de crescimento físico, espera incorruptível.

Os dias, profeticamente determinados, se completaram, e no primeiro dia da semana, saiu à luz: ressuscitou. Recebeu de volta a vida biológica da qual se esvaziara. E, como aconteceu ao nascer, anjos testemunharam sua ressurreição, esclarecendo a Madalena e a outros discípulos o que estava acontecendo.

Durante quarenta dias, aquele que aprendeu sobre o "reino dos homens" ensinou aos seus a respeito do "Reino dos céus". Então recebeu de volta tudo aquilo de que se esvaziara ao encarnar-se. E, novamente os anjos se encarregaram de explicar o que estava acontecendo enquanto ele ascendia aos céus.

A maldição imposta a Adão e a seus descendentes foi revogada através do novo Adão com novo tipo de descendência: a fé.

Os descendentes do velho Adão nasceram espiritualmente mortos fora do Paraíso de onde ele fora expulso. Os descendentes do novo Adão são aqueles que, espiritualmente ressuscitados, anseiam pela volta, e tem certeza dela, pois afinal o primeiro deles já está lá.

Um comentário:

Oliveira disse...

Muito bom saber que Ele foi o primeiro e que nós seremos também ressuscitados e seremos semelhante a Ele.

Me pego pensando nisto constantemente.